04 maio 2006

Os afetados me afetam

Afetação é uma coisa que me incomoda. Muito.

Mas que fique claro que afetado é diferente de espontâneo – um é original, o outro é falso. Nessa categoria estão as mulheres excessivamente emperuadas, os homens montanha de músculos, o sotaque do Philip Seymour Hoffman em Capote, a síndrome de Pollyana - que ataca quem vive sempre em cima do muro e nunca se posiciona. No orkut, por exemplo, são aqueles que só “passam pra dar um oi” e somem.

Já notei que dentre todos os afetamentos, um me incomoda mais do que todos: os afetados da língua. Eles não têm profissão, sexo ou idade definidos, mas geralmente se disseminam em ambientes onde ser poser – como me ensinou a minha sobrinha – é fundamental.

Falo isso porque participei há pouco de uma reunião na Universidade Federal do Rio Grande do Sul pra implementar um projeto. Era uma plêiade de doutores, gente graúda, e eu. Fala um de cá, fala outro de lá, e levanta um nobilíssimo senhor: “blablabalá blablablá, je sui désolé!, blablabalá blablablá, je sui la femme!, blablabalá blablablá, allez tous vous foudre!

Será que o Brasil foi colonizado pela França enquanto eu dormia e ninguém me avisou? A cada dez palavras, o afetado disparava uma em francês. E ainda reforçava com um: “Como se diz na França...”.

Até hoje não descobri se isso é desprezo pela língua, desprezo pelo interlocutor, ou um cérebro deficiente que embaralha as coisas e não sabe onde está.

Moral da história: essa história não tem moral nenhuma. E muito menos eu, que fico escrevendo bobagem em vez de trabalhar.

7 comentários:

marcia disse...

faz biquinho? ah, faz...

Cida disse...

Desses "modelos" existem aos montes. Se a França é tão boa o que ele veio fazer aqui no Brasil?Eu também não consigo compreender esses supra-sumos....faltam-me miolos.

Graziana disse...

Já participei de cada reunião com pós doutores que você não pode nem imaginar a fogueira de vaidades ...

ferdibrand disse...

Merrmão, já vi no Correio repórter falando com sotaque carioca porque estava telefonando para o Rio de Janeiro.

Renato disse...

Perdoe as expressões canhestras e um tanto indelicadas, mas enquanto as lantejoulas e plumas esvoaçam nestas salas e nas verborragias, a esmagadora maioria da plebe está "fodida e mal-paga", certamente "cagando" pras eloCUbrações desse bando de babacas!

Mariana disse...

Adorei seu blogue (entrei nele através do site de Fá Jones, amiga brasileira na Inglaterra). Posso voltar outras vezes? Abração!

Cássia disse...

Hahaha. Concordo!!!