29 junho 2006

Xôn do milhão

Um milhão e 710 mil páginas no Google com a palavra Xon.
Obviamente que nenhuma traz meu nome. A onomatopéia que inventei pra deter o irritante Xãn não está na lista de prioridades do Google. Mas nunca imaginei que essas três letrinhas pudessem gerar tanta informação.

A maioria esmagadora das páginas se refere ao protocolo Xon, que é um tipo de liberador do fluxo de informações para softwares. Pra eles não entrarem em colapso, eu fico dizendo quantos dados podem passar e quantos têm que voltar. Em suma, um regulador.

Saindo da área da informática, e caindo na das cabeças pensantes, Aristóteles diz que eu sou o plausível - éndo-xon - presente nas discussões da dialética e da retórica. Se é que entendi o que estava escrito, que fique claro. E sim, eu sei que de plausível eu tenho pouco, mas cada um com seus problemas.

A astronomia foi quem guardou meu mais charmoso definidor: sou o planeta mais velho já observado, com 13 milhões de anos, o triplo da idade da Terra.

Que isso seja o prenúncio de uma vida longa – é o que garantiu uma cigana falcatrua que leu minha mão – e de muitos projetos a serem realizados.

A notoriedade nas páginas do Google eu deixo pra outra vida.

3 comentários:

Graziana disse...

vida longa, com muitas felicidades!
feliz ano novo ;)
beijos

marcia disse...

regulador, velho e presente nas discussões.
quanta injustiça.

Mariana disse...

;.)