30 outubro 2006

Quando o Euninho destruiu a camada Diozônio e o desmatamento dos animais atingiu a todos cerumanos coletivamente

Como sempre, todos os grandes compromissos que você tem no ano desembocam no mesmo momento, ou seja: sem tempo nem pra pentear macacos. Mas achei tão engraçado essas frases abaixo, que colei aqui. São do site eAprender.com, e foram tiradas de uma edição de 2002 do Estadão sobre as provas do Enem - Exame Nacional do Ensino Médio.
Apesar de velhas, o frescor da burrice continua atual.

* Já está muito de difícil de achar os pandas na Amazônia.
* Os desmatamentos de animais precisam acabar.
* O maior problema da floresta Amazonas é o desmatamento dos peixes.
* A natureza brasileira só tem 500 anos e já está quase se acabando.
* Nos dias de hoje a educação está muito precoce
* Os lagos são formados pelas bacias esferográficas
* O cerumano no mesmo tempo que constrói também destrói, pois nos temos que nos unir para realizarmos parcerias juntos
* O sero mano tem uma missão...
* Vamos mostrar que somos semelhantemente iguais
* Na verdade, nem todo desmatamento é tão ruim. Por exemplo, o do Aeds Egipte seria um bom benefício para o Brasil.
* Por isso eu luto para atingir os meus obstáculos
* Imaginem a bandeira do Brasil. O azul representa o céu, o verde representa as matas, e o amarelo o ouro. O ouro já foi roubado e as matas estão quase se indo. No dia em que roubarem nosso céu, ficaremos sem bandeira.
* A concentização é um fato esperançoso para o território mundial.
*O Euninho provocar secas e enchentes calamitosas...
* O problema ainda é maior se tratando da camada Diozônio!
* O que é de interesse coletivo de todos nem sempre interessa a ninguém individualmente.

E se a gente lembrar que os animais jumentosos também galopam, aonde vai parar a burrice?

23 outubro 2006

Jumentas de pijamas

Lugar de emissora de TV é em cima de morro.

Morros, geralmente, são ocupados por favelas.
Quem trabalha em TV, tem que subir o morro.
E passar pelas favelas.
E o espetáculo da vida supera em muito a ficção da TV.

Durante anos eu passei por jumento “vestido” de presidiário, que algum insano tentou transformar em zebra. As listras eram tão retas e largas que o animal parecia um Banana de Pijamas. Assim que a zebra da favela apareceu, as crianças brincavam excitadas em volta. Com o tempo, o entusiasmo morreu e o bicho ficou pastando sozinho, com aquela cara desolada de quem não tem mais nada a perder. A tinta só saiu quando o pelo mudou de vez, anos depois.

Qual a surpresa que tenho quando pego o jornal de domingo e uma mula de pijamas tá na capa:



O problema é que usaram carvão pra maquiar a jumenta. Daí caiu uma chuva daquelas e desbotou a fantasia. Se a Wella soubesse, aposto que a zebra ostentaria um luminoso tom “ouro dourado”. Igualzinho ao da Angélica.

19 outubro 2006

Mão de vaca


Preço mínimo de R$ 1,343 milhão por um pequeno rubizinho de 46 quilates.
Tá exposto na feira de gemas preciosas de Mianmar, na Ásia.
A pedra vale uma fortuna, mas os mãos de vaca não gastaram um mísero centavo pra comprar sabonete pro modelo fazer a foto.

17 outubro 2006

Vai ou fica?

Alto ou baixo.
Dentro ou fora.
Esquerda ou direita.
Ida ou volta.
Com ou sem
Claro ou escuro.
Certo ou errado.

Alguém aí tem a pílula das soluções fáceis?
- ouvi dizer que as do Paraguai não são seguras -

15 outubro 2006

Bagunceiro arrumadinho

É lógico que em todo caos há lógica. Tão aí os einsteins pra teorizar sobre o assunto. Mas nem por isso a lógica do caos deve engolir o dia-a-dia. Passei o sábado arrumando armários e gavetas que tavam caóticos e tentando liberar espaço pra guardar mais tralhas.

Sei que é coisa de neurótico, mas me incomoda esse tipo de bagunça, essa que faz a gente perder tempo procurando algo que sumiu num buraco negro, que amassa e estraga o que está "guardado", que afeta o humor de quem sofre da síndrome de pato donaldirritabilidadis aguçadis.

Exemplo: você tá no banho e lembra que botou a toalha pra lavar. Sai ensopado, vai até o armário, tenta pegar uma toalha no meio de milhares que tão socadas num espaço minúsculo. Resultado óbvio: todas caem no chão, em cima da poça d’água que você mesmo criou. Resultado óbvio dois: toalhas sendo chutadas pra todo lado, máquina de lavar cheia com as tolhas chutadas, mais trabalho a ser feito.

O que ainda não aprendi é a organizar as “gavetas” externas, já que por cima do interior arrumadinho, o exterior é uma barafunda, com coisas empilhadas e jogadas pra todo lado. Meu visual também é assim: aparência meio amarrotada, cabelo sempre despenteado, roupa amassada. Mas essa eu vou deixar pra Jung ou Freud resolver. Assim que eu conseguir me decidir por um dos dois.

13 outubro 2006

Sexta-feira 13

foto sean hagen

Meu lado soturno adora os mitos sobre a face negra e oculta do homem. Fico fascinado com as pessoas que, ainda hoje, têm superstições infundadas, medo do ‘além’, acreditam que o mal está ali na esquina esperando pra atacá-las.

Eu, quando criança, tinha certeza de que algo maligno morava embaixo da minha cama. A coisa se fazia presente assim que a luz se apagava – o que me obrigava, pra ir ao banheiro, pular feito macaco sobre a cama dos meus irmãos e levar muita porrada. O pior era um palhaço, um maldito palhaço, que me assombrava com requintes de crueldade. Era algo como um ‘porta-pijamas’ pendurado na parede. Mas era tosco, artesanato mal feito que ganhei sei lá de quem e éramos obrigados a manter no quarto. Na escuridão, a luz da rua entrava por uma fresta da veneziana e iluminava o mal acabado, destacando o sorriso podre e o olhar psicótico.

Lembrei disso porque saiu a última pesquisa do ibope: Lula tá 14 pontos percentuais – votos válidos – na frente do Chuchu Desnatado. Será que a Regina Duarte vai passar, outra vez, a calmantes nos próximo quatro anos?

Triste dia da criança

É duro ser uma criança incompreendida.
O dia 12 terminou e o telefone não tocou.
Nenhum scrap chegou.
Nenhum bombom adoçou meu dia.
Nem um simples cafuné solitário ganhei.
Tá difícil viver neste mundo.

Bang! Tá morto, pulha!

11 outubro 2006

Feriado filosófico

Tá na Folha On-line de hoje: 1,5 milhões de veículos devem deixar São Paulo no feriado prolongado.

É como se cada um dos moradores de Porto Alegre – e mais alguns visitantes – pegasse um carro e fosse viajar. Imagina aquele bebezinho de apenas dois meses xingando o velhinho de 98 por ultrapassar em alta velocidade pela direita. E a brasília arriando nos quatro pneus 1972, originais, bem na frente do pedágio.

Daí o trânsito vira caos, todo mundo briga, buzinaço pra todo lado, tranqueira. Decididamente, bebês de dois meses e velhinhos em alta velocidade não deviam dirigir em Porto Alegre.

Vou me mudar pra São Paulo. Brasília nunca.

05 outubro 2006

Marketing cara de pau

Quem acompanhou o bate-boca das últimas semanas, viu que o Google, dono do Orkut, mandou a polícia federal às favas ao não liberar o sigilo de comunidades e participantes que incitam o racismo, a pedofilia, o preconceito e outros ódios. Em suma, o Google se acha maior e melhor do que as leis e costumes de um paisinho chinfrim como o Brasil e tá se lixando pra nós.

Agora, marketeiramente, tenta melhorar a imagem se dizendo solidário e humano. Na página de entrada – onde se digita o nome e senha – eles escreveram, ao lado de uma fitinha preta:
O orkut.com está de luto pelas vítimas do vôo 1907. As seguintes comunidades foram criadas por nossos membros:
GOL - Vôo 1907 – Sobreviventes - Corrente de fe do voo 1907

Ok, vou acreditar que eles estão preocupados com a situação. E que desta vez apoiarão a justiça brasileira caso fique comprovada a suspeita de que o piloto e co-piloto, norte-americanos, foram os responsáveis pela morte de 155 pessoas.

É muita cara de pau.

03 outubro 2006

Azul calmante

O céu está azul e luminoso.

Os passarinhos chilreiam, dão rasantes, brincam por estar vivos.

O mundo parece tão bonitinho visto daqui.

Só queria que os malditos funileiros parassem de martelar minha cabeça pra trocar as calhas do telhado.

foto Sean Hagen

02 outubro 2006

Mais e melhor

Surpresas nas eleições em todo Brasil.
Como todos os anos, um bom bocado dos pilantras e falcatruas não se reelegeu. Gente nova chega com a obrigação de fazer algo honesto e eficaz.

Tá na hora da turminha enjoada da classe média senso comum parar de dizer que o brasileiro – eles incluídos fora – é burro e não sabe votar. O povo escolhe, mas se vê que cometeu engano, tenta corrigir.

Lula fugiu do debate quando os índices de aprovação o elegeriam no primeiro turno. Os eleitores se sentiram enganados e cassaram os votos, obrigando o petista a debater na marra. No Rio Grande do Sul, os gaúchos rejeitaram veementemente a administração do PMDB, vazia e desastrosa. O governador Germano Rigotto está fora do segundo turno. Despontava como líder absoluto nas “pesquisas de opinião”, mas foi atropelado por Olívio Dutra e Yeda Crusius, que estavam empatados em segundo lugar.

Pra todo acerto sempre há uma margem de erro, e é o que explica a eleição de Collor pro Senado ou Clodovil e Maluf pra Câmara Federal.

Enquanto isso, um documentário da BBC prova que o Ratzinger era responsável por acobertar os crimes de pedofilia da igreja católica. Alguém do senso comum vai sair em defesa do nazista papal?


01 outubro 2006

Flor do pântano

Ao fugir do debate na Globo, Lula trocou a credibilidade que o mantinha livre dos escândalos pela imagem do medroso que tem algo a esconder. Assinou uma “confissão de culpa” e abriu espaço pra dúvida que antes não existia. Escondeu-se embaixo da cama, como um moleque que quebra a vidraça do vizinho e tenta fugir da punição. Essa decisão vai custar caro, mesmo que seja pura especulação a possibilidade de estar envolvido com irregularidades.

Agora, o possível segundo turno começa com um Alckmin revigorado, mesmo que calcado apenas no vazio slogan “vamos mudar o que está aí”. Por mais de direita que a administração Lula tenha se transformado, esse slogan ressona nos conservadores que preferem uma imagem "limpinha", e não um plano de governo – a história já nos mostrou no que isso resulta, vide Jânio Quadros e Collor de Mello, entre outros.

Em vez de pagar milhões de reais pra meia dúzia de aspones botar tudo a perder, o PT deveria ter feito algo mais inteligente e barato: olhar pro próprio umbigo e perceber que foi a simplicidade e a fidelidade aos anseios das camadas mais pobres – de onde surgiu – que fizeram o partido grande. Ternos de grife e vinhos caros exigem dinheiro, por isso sempre foram ligados às elites. Quando o PT se deixou seduzir por essa imagem de poder, aceitou as regras do jogo político arcaico: legislar em causa própria, vencer a qualquer custo, parecer mais do que ser.

Se a fênix renasce das cinzas, que o PT renasça do lodo. É um partido de trajetória jovem e não está isento de cometer erros. A maturidade será reconhecer o desastre que causou e fazer um corte drástico na banda podre que administra a legenda.

Corrupção pode ser sanada com ética. Mas traição à luta de milhões de pessoas é algo imperdoável.