28 novembro 2006

Dois autores e um livro que desisti de ler

A Marcia me “acorrentou” pra eu dizer quem são os três autores que eu desisti de ler. São muitos, daqueles que li uma coisa ou outra e não gostei do estilo ou da abordagem. Tenho uma certa implicância com os bambambans, esses que todo mundo endeusa. À lista, então:

1. Raduan Nassar – li Lavoura arcaica me arrastando, odiando cada ponto que faltava, cada vírgula que não vinha, cada pausa que não existia. Jurei nunca mais ler nada dele. Vou morrer sem saber se é um gênio ou não.
– em tempo: odiei Estorvo de Chico Buarque por ele copiar de forma tão descarada o Raduan. Mas como ele é compositor, e não escritor, não entra nessa lista –

2. Gabriel Garcia Marquez – nunca vi alguém tão megavalorizado quanto ele. Acho enfadonho esse ‘realismo fantástico’ que soa um tanto quanto infantil, e decididamente o estilo dele é pomposo demais pra narrar isso.

3. Aqui eu fujo um pouquinho do proposto pra falar de uma obra, não de um autor. Refiro-me a Ulisses, de James Joice. Depois de ler os contos de Os dublinenses, em que faz parte o supimpa Os vivos e os mortos, me aventurei, louco de curiosidade, na tradução do Houaiss. Viximariasantíssima, cada página eu atravessava a facão, rezando pra ela acabar logo e chegar a seguinte. Mas o facão perdeu o fio e eu não atravessei nada no final das contas. Fiquei lá pela página 70 das 400 que o livro tem. Foi a minha única e fragorosa derrota ao deixar um livro pra trás. Um dia, quem sabe, quando eu falar inglês como os ingleses, eu retome.
- em tempo 2: dizem que a tradução da Bernardina da Silveira Pinheiro é superior a do Houaiss –

Como as correntes de confidências e inconfidências tão tsunamizando os blogs, deixo totalmente aberto pra quem estiver disposto a comentar, sem nenhuma obrigação ou necessidade de desculpas por não fazer. Então, Grazi, Lila e Mariana, se vocês estiverem a fim, beleza.

8 comentários:

lila disse...

Machado de Assis me mata. Não dá. Me arrastei eras com Iaiá Garcie e O Alienista, esse que só li obrigada. Até os contos eu levo dias pra ler.

Gustave Flaubert. Tem uns quase 10 anos que eu "tou lendo" Madame Bovary. Te juro.

José Saramago. Eu me arrastei no Ensaio sobre a Cegueiria e desisti na Lucidez.

Eça de Queiroz me toou anos com O Ateneu.

Maitê disse...

Bem, eu não gosto do José de Alencar. Pode me chamar de ignorante, mas eu não gosto muito de alguns livros do Machado de Assis. E, esses dias estava lendo um texto de uma escritora egípcia, sobre mulheres e tal, e é o livro mais engessado que eu li na vida. Do Gabriel, li um livro que eu adoro, Relato de um náufrago. Esse é bem bom. Os outros eu não li!!! Abs

Maroto disse...

Êta, empatou justinho comigo no Ulisses! Pode ter sido sorte nossa: eu li emprestado de uma psicanalista e quando contei que empaquei lá pela página 70 ela suspirou aliviada. Garantiu que quem passa da 100 é internado, sem bilhete de volta para a realidade compartilhada pela maioria.

Graziana disse...

não li os livros do chico...
um dia ainda leio.
vou responder sobre os autores no blog...

Maitê disse...

Pois é Sean, meu namorado disse a mesma coisa. E o Reges me deu um apoio moral, dizendo que o quitandeiro da Amélie é um cara legal e ficou bem no template... Abs

marcia disse...

como romancista, Chico foi um bom letrista. e sempre desconfio de quem cita "Lavoura arcaica" entre os livros preferidos. é um daqueles cults que ninguém leu, ninguém gostou, mas é bacana dizer que.

ederson disse...

Cem anos de solidão é um de meus livros preferidos, então não concordo que seja enfadonho o estilo do Garcia Marquez. Pelo menos não nesse livro, porque depois fui ler outros dois dele e achei, realmente, desnecessários...

Mariana disse...

Ai, eu adoro Gabo...

Vou tentar, visse? Beijo!