05 março 2007

Perversas goiabas

O problema de morar na capital, mantendo hábitos do interior, é que isso pode botar a gente em encrenca. Tá, nunca morei no interior, mas o subúrbio é zona rural da metrópole. É dessa época a mania de fazer doce em compota, e a goiabada caseira, escurinha, elástica como puxa-puxa, sempre foi top de linha aqui no clã. Sem quintal pra pegar fruta, o jeito agora é assaltar as árvores alheias.

Aproveitei um final de tarde chuvoso, com pouca gente na rua, e me atraquei numa goiabeira grande, alta, cheia de fruta. O ruim é que está na calçada de um prédio de três andares com dezenas de janelas e sacadas em frente. Sabendo que os gatunos chegam junto, o condomínio cortou os galhos baixos, deixando quase impossível escalar. Mas como nunca se esquece as malandragens dos tempos de moleque, dei uma de lagartixa e subi rapidinho. Não demorou pra uma ou outra cabecinha começar a despontar nas janelas, e a culpa de estar “roubando”, mesmo que em árvore pública, aparecesse.

Mas até aí, tudo bem, já fiz isso outras vezes. O problema na verdade foi outro. O galho em que eu parei ficava no nível de um apartamento do segundo andar, e como não poderia ser diferente, a luz acendeu e uma mulher, aparentando uns 70 anos, entrou. Era constrangedor, eu podia ver até o piercing que ela usava no umbigo – se tivesse um. Andou aqui e ali, mexeu em algumas coisas, e de súbito veio pra sacada, pressentindo algo estranho. Como logicamente eu era a única coisa que se podeira classificar de estranha - uma massa de 1,8 metros e 80 quilos agarrada num galhinho fino, tal qual um maranduvá gordo -, fiquei duro como picolé no freezer, protegido pelo escuro e pelas folhas, esperando ela sair. Até a luz se apagar, isso se repetiu duas, três, quatro vezes.

Se ela abrisse os pulmões e gritasse que um devasso de barba branca estava pendurado na árvore, como explicar que eu estava em busca de doces goiabas, e não de doces velhinhas? Imaginem as manchetes: TARADO DA GOIABEIRA FAZ NOVA VÍTIMA. Ou: VELHO BARBUDO MOLESTA VOVOZINHA.

Como já tinha pego uns oito quilos, desci o mais rápido que pude, me arranhando nos galhos e ficando todo lanhado. No chão, a passos largos, senti que um ventinho esquisito insistia em entrar onde não devia: o digníssimo lado direito da minha bunda se fazia presente ao público, descortinado por um rasgo generoso no calção. Imaginar o que aconteceria comigo na prisão foi o suficiente pra me fazer esquecer a vergonha. Tudo o que eu queria era desovar rapidinho o produto do meu roubo bem longe dali.

36 comentários:

cida disse...

hahahahahahaha.. Que conto humorístico!!!!!!Fiquei só imaginando a velhinha gritando pra entrares na casa dela pra te protegeres do friozinho gelado nas partes íntimas....rsrsrsrs.
Agora me diz aqui, estavas nessa preocupação toda e deu pra pegares someeeeeeeeeente 8 kg???Meu filho, se tivesses todo o tempo do mundo, não iriam sobrar nem as folhas!!!
Tô me divertindo com a forma de contares essas tuas presepadas. Muito legal!!!!!

Graziana disse...

hahahahahahahahaha
essa foi boa, tu escreves tão bem que pude imaginar a cena!

e outra, eu ADORO doce de goiaba, goiabada, seja lá o que for que tenha goiaba!
me deu vontade de comer toda esta panela!
tinhamos uma goiabeira lá em casa, infelizmente foi cortada para construirem mais uma casa no pátio, tenho belas lembranças das brincadeiras na árvore e dos doces que minha avó fazia sempre!

manda uma provinha pra mim!!!!!
:)

marcia disse...

vamos ao lide: vc ficou duro como picolé no freezer (nham nham) ao espiar uma moça de 70 anos sem umbigo. a atração era tanta, que o barbudinho voyeur subiu na árvore.
e a parada foi tão vibrante, que rasgou a calça. hhhmmmmmm...

tu vê.

Lu Tricotando disse...

hahahahahahaha. Não consigo comer goiaba pensando que ali dentro tá cheio de bichinhos....argh. Espero que ao menos todo este sacrificio todo tenha valido à pena. Bom proveito! Ha, o doce eu gosto... não dá pra ver a bicharada...
hahahahahahahahahaha

Rosamaria disse...

Adorei teu texto!! Tu és demais, cosquirídia!

Maranduvá gordo?

HUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁHUÁ

Lá na chácara tem um pé de goiabeira, mas muito pequeno, não dá nem pra fazer goiabada, que eu tb adoro.

Já tive os balcões da minha cozinha cheios de doces e conservas, mas foi em outros tempos...

Maitê disse...

Mas se não é o próprio Chico Bento, heheh

cíntia disse...

hehehe, adorei esta. fico só imaginando o teu pânico ao ver a tal velhinha.
mas me conta, o doce ficou bom?? hummm
=o]

ederson disse...

hahahah... essa foi boa. e parabéns por conseguir subir em goiabeiras. eu provavelmente nunca consegui subir numa árvore.

ah, vou fundar um fã-clube em homenagem ao Júlio Conte, já que ele é tão simpático. não quer participar? talvez consigamos ingressos de graça pra ver Se meu ponto g falasse de novo.

Clélia Riquino disse...

Sean,

Perdoe a ignorância, mas o que é um maranduvá?

Sua história foi hilariante...

Clélia Riquino disse...

Ah, adoro doce de goiaba tb! Mas não sei se compensa todo este trabalho e risco...

Adriana disse...

Sean, seu post realmente e otimo, pois pensei que somente eu (quando era pequena) em minha pequena cidade do interior (CAmpinas) roubava goiaba....Agora vivendo fora do Brasil tenho que me contentar em comprar Goyaba branca sem gosto, carissima e nem sequer me da para fazer goiabada, entao eo negocio e pagar caro uma latinha de goiabada Cica....
Hilariante nao?


Beijinhos do outro lado do oceano

La Carmencita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Srta.T disse...

8 quilos o caramba hein?

MC disse...

AHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHA

Ótima!!!!

E, puxa! 8 kg??!!!!!! Nossa!!! Tu levou um saco de estopa pra apanhar tanta goiaba assim?

Sean Hagen disse...

*



ESCLARECIMENTO ANTES QUE VIRE LENDA
goiaba é uma fruta pesada, minha gente. enchi uma sacola grande, dessas que os magazines dão quanto compramos muitas peças.

tirando a casa e as sementes, além de toda a proteína das lagartinhas, reduz mais da metade.

e depois desse trabalho que leva horas, ainda tem que liquidificar tudo e ficar penosas horas e horas com a barriga no fogão mexendo pra não queimar.

dureza, viu?
acho que vou trabalhar nas docas que sofro menos.




CIDA
a velhinha não tinha cara de boa amiga, não. acho que é o tipo que gosta de barraco, mesmo.



GRAZI
acabou ficando chimia. não tive saco pra apurar mais. de qualquer forma, tá naquele tom de vermelho quase vinho que é delicioso só de olhar.


MARCIA
erro de lide: trepei na goiabeira antes de ficar duro como picolé.


LU
tenho a teoria da cadeia alimentar: como tudo o que for menor do que eu - vivo. quando é muito grande, só abatendo.
:p
áh, come de olhos fechados. goiaba é tão bom.


ROSA
cada vez as goiabeiras produzem menos! acho que é o aquecimento global e a visita do bush ao brasil.



MAITÊ
sô, uai?


CÍNTIA
foi muito mais pânico por ela do que por mim. imagina o susto da veinha em ver um gordão barbudo e suado quase tocando na sacada. filme de terror.



EDERSON
não nego que tenho um ancestral macaco. ainda bem que os pelos ficaram pelo caminho.

sim, faz o fã-clube que eu participo.


CLÉLIA
depois que escrevi lebrei que maranduvá era um regionalismo, mas, como tem variações em muitos estados, deixei. o houaiss, por exemplo, nem registra a grafia gaúcha, mas o folclorista amadeu amaral, sim: "MANDOROVÁ, s. m. - designa várias lagartas peludas, cujo contato produz dores vivas. | Af. Taun. regista "marandová", que nunca ouvimos; Romag. colheu, no, R. G. do S., "maranduvá". Do guar. "marandobá" (B. R.)"


ADRIANA
vc tem toda razão. têm frutas que só devem ser comidas direto do pé, de forma caipira. goiaba talvez seja a principal. aqui no sul do brasil as goiabas de supermercado são sem gosto e textura também, e custam os olhos da cara. por isso que goiaba pública é fundamental.
:D



CARMENCITA
meu avô era alemão também.
mas como era um chato, só falava com ele mesmo.
em alemão.
e meu avô que era libanês falava com todo mundo. mas só quando xingava.



SRTA T
era pra ser mais. se vou ter que passar trabalho fazendo, que seja por muito.



MC
vc quer me ver na cadeia, é?
imagina eu com um saco de estopa.
era o protótipo do ladrão chinelão.




*

Vini disse...

Pobre da goiaba, virou agora desculpa pra tarado ficar de olho em velhinha... nanaãoooo!!!!

La Carmencita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
cíntia disse...

ah, pão com chimia... hum... e um pedacinho de ricota... tudo de bão!!!
=o]

----

a foto não era de noiva não, aquilo era num carnaval de rua aqui em pelotas, eu num camarote assistindo alguma escola passar...
mas tudo a ver com espiando na janela, né...

=*

Graziana disse...

Sean -
tua chimia deve ter ficado ótima! com um pãozinho quentinho então, delícia (coisa de gente gulosa que nem eu!)
Minha amiga tem goibaeira no sítio e pelo menos uma vez por mês a mãe dela me manda doce de goiaba ou chimia e também me envia de abóbora, adoro também!
quando quiseres goiaba me diz, posso pegar com ela, ela tem várias árvores ;)
bjo

Sean Hagen disse...

*



VINI
tu é um repressor.


CARMENCITA
liga, não.
brasileiro é tudo burro.
adora subverter a ordem e fazer neologismos.
coisa de quem usa muito a língua.


GRAZI
legal saber.
assim não corro mais o risco de ser confundido com ladrão.
e tua chimia tá guardada.



*

Ju disse...

Hahahahahahahahaha E olha que eu ficaria orgulhosa se vc fosse manchete de jornal! Eu ia falar par todo mundo que te conheço. Hahahaha Adorei!

Eu estou agora no Porto (Portugal), mas moro no RJ. Sou filha de portugueses. Aqui está frio para os meus padrões cariocas (9 graus), mas é suportável. Enquanto eu estiver atualizando o meu blog é pq ainda não fui parar no hospital em crise de hipotermia hahahah Beijosss

Rosamaria disse...

Fazer chimia no fogão é dose!

Quando começa a ferver e saltar a gente se queima. O bom é fazer num tacho de cobre, daqueles que os ciganos vendem, no fundo do pátio, como minha mãe fazia e com uma pá de madeira de mais de metro.

Ô tempinho bom!...

firvidas disse...

haahahhahahhahhhahhhahahah!!!!!!!!!!!!!

ahahaaaaaaaaaaaaaaaahhahahhahhhhh!!!!!!!!

tenho de segurar as costelas..
preciso de ambas mâos.

ahahhahahhahah!!!!!!!!

Ana disse...

Hummmmm!

Já contei, no meu blog: goiabada sempre foi minha sobremesa preferida! Meus irmãos me chamavam de Badinha! E este apelido pegou!

Me convida, vai!! :)

Vivien disse...

Xõn, diz ai, vc ficou é com medo da velhinha chegar toda sorridente e te convidar pra entrar no apartamento...ahhahahahah

Clélia Riquino disse...

Pois é, Sean, eu havia procurado no Aurélio e no Houaiss (companheiros inseparáveis!), mas não encontrei o verbete. Agora, na nova forma, o Aurélio traz:

MANDOROVÁ [De marandová, com metátese]
S. m. Bras. Zool.
1. Designação comum às lagartas de insetos lepidópteros enfingídeos que se alimentam de euforbiáceas, têm geralmente grande porte e corpo desprovido de cerdas urticantes.

[Var.: mandruvá, druvá, manduruvá, mandarová, mandaruvá, marandová; sinônimo: gervão. Cf. tatarana.]

Entendi tudo... (ah, estas expressões regionais!)

Maroto disse...

pra não fazer tese, até ficar horas na frente do fogão mexendo panela nesse calor, né? Mas vamos ao que interessa: a véia era gostosa?

Graziana disse...

tá guardada mesmo?
vou aí buscar...heheheheheh
:)

Graziana disse...

tá guardada mesmo?
vou aí buscar...heheheheheh
:)

Tarcisio disse...

Fala Xon, vc esteve lá no meu blog outro dia...

E parece que as goiabas renderam mesmo...

Não resisto e deixo aqui uma piadinha: Sabe o que é pior do que achar um bicho na goiaba?

Achar meio bicho.

Grande abraço.

cíntia disse...

amigo, desculpa a saia justa, tá?! era so de brincadeira, viu!?!?!
beijos

Nana disse...

Adoro um docinho de goiaba! Quando como a fruta nem olho, porque realmente o maior como o menor, então...Domingo fomos no sitio do meu primo e a mãe pegou várias sacolas, claro que não precisou rasgar os calções e o carro ficou com um perfume maravilhoso. O Val faz o doce em calda, até porque "chimia" tem que ter uma paciência pra mexer...Ah, um bicho da família do marandová é o bicho-cabeludo (lembra?)
Obs: fiquei com água na boca só de olhar a tua panela (risos)
Bjs

>> [eRRuD!To] ... disse...

mas valeu. o resultado tá "bunito". e deve ter ficado bom.
ah... e da próxima vez, lembre da canção: "não me interessa se ela é coroa, panela velha é que faz comida boa". pensa bem na próxima... de repente a tia ajuda a tirar as goiabas...

fernanda disse...

choro rindo, fiquei imaginando a cena... très bizarre! quando quiseres, tenho pêras e figos... posso fazer uma doação sem problemas!

beijoo


(agora, eu que fiquei procurando a fronteira entre ficção e realidade)

Chawca disse...

Sensacio0nal........

Aqui na minha cidade eu moro proximo ao recinto de exposições. Era uma area do estado, então no fundo de casa dava para uma fazenda 15 anos atras, hoje ja é um bairro. Mas o que quero dizer é que lá em casa tem muito pé de fruta, e bem proximo ao muro tinha um de goiaba. Certa vez um menino estava la a fazer o mesmo que vc e eu apareci do nada, nem tinha visto ele. Ele se assustou tanto que caiu e acabou quebrando o pé... Eu fui socorre-lo e ele so chorava e gritava que queria fazer doce. Depois disso ele ia sempre lá em casa quando a goiabeira estava carregada...
Ainda bem que vc teve mais sorte que ele,,,,
Voltei hoje ao blog para espiar melhor....
OPbrigado pela visita e pelo comentario,,,
Valeu...

Eternamente Berenice disse...

Você deve ter passado realmente um grande apuro hein???mas fala pra nós essas são as goiabas mais gostosas que já comeu...não são? Dizem que tudo que é difícil é mais gostoso.