26 março 2007

Só os fúteis não se deixam levar pelas aparências

A frase do título é do Oscar Wilde, mas eu assino embaixo. Mais de cem anos depois, o sociólgo Michel Maffesoli postula que a forma é formante, tendo a capacidade de revelar a profundidade das coisas. Claro que não se pode tomar essas idéias de maneira leviana, é preciso buscar compreender porque a aparência cristaliza uma determinada forma. E isso não está limitado às pessoas, mas também às coisas que nos cercam.

Eu admito que sou o tipo fútil que já leu livros pela capa, assim com deixei de ler obras primas pela péssima edição. Que gosta de devorar a comida com os olhos. Que se sente confortável ou incomodado conforme a aparência do lugar.

Ontem, navegando a esmo, achei a abertura de um seriado de TV da década de 70. E quando percebi, já tinha visto mais de 30 vídeos com programas que, de alguma forma, marcaram minha vida. Só pela abertura. Essa ‘forma’ de introduzir as séries diz muito sobre elas, diz o que está por vir, dá o tom do andamento.

O impressionante é que eu poderia contar um pouco da minha história só falando dessas aberturas. Essas ‘formas’ me marcaram de modo indelével, situaram-me no mundo, organizaram a cultura na minha cabeça. Trouxeram informações que ultrapassam o próprio conteúdo dos programas, criaram sensações que me fizeram traçar caminhos, buscar metas, reproduzir sentimentos. Alguns dirão que me deformei ao ter como parâmetro algo tão fútil. Talvez até possam ter razão, mas não tenho como fugir da minha futilidade.

Pena não ter espaço pra postar todas as aberturas que eu queria. Mas vou deixar oito, o que já é muito prum blog. Quem tiver paciência – ou vontade de relembrar –, boa viagem.

22 comentários:

Lu disse...

Viajei!!!!

Arnaldo disse...

Quando eu era moleque, não tinha uma relação muito amorosa com a TV. Preferia muito mais ficar na rua jogando bola.

A única coisa que me tirava da rua, invariavelmente, era um episódio da série National Kid. Essa eu não perdia!

Rosamaria disse...

uau!!!! voltei à juventude, não só dos meus filhos! O Batman morava aqui em casa, e o James West, e a Feiticeira. meudeus!

durante meus serviços de secretária do Taba hoje, ainda consegui ver todos os vídeos e achar outro, de um programa que eu adorava assistir, qdo morávamos em Boston, o Mr Ed. dá uma olhada.

http://www.youtube.com/watch?v=_Hp1bYh8VFA&mode=related&search=

http://www.youtube.com/watch?v=NZjKDRdBFV0

só não suporto as risadinhas deles.

Ju disse...

Finalmente alguém para dividir comigo o gosto por "Happy Days" e para validar a existência da série. Fui apresentada ao programa por uma professora de Inglês na escola, e desde então sou fascinada pelo bom e velho "Fonz." Sabe, eu adoro essas futilidades também. Ano passado, tive a sorte de encontrar a primeira temporada da série na Amazon.com (o reino das futilidades, porém fiquei desapontada com a falta de extras no DVD como erros, comentários de atores e diretores). Quem diria que o Ron Howard se tornaria o grande diretor de filmes como Apollo 13 e O Código Da Vinci? Estou, aos poucos, trabalhando na minha coleção de séries antigas. Adorei o post, Sean!
Beijo
Ju

Maitê disse...

Eu gostei Xôn, Hj é níver de Porto Alegre.

Abs

Clélia Riquino disse...

Eu, ao contrário do Arnaldo, era super televisiva, qdo criança e adolescente! Assistia e curtia todas estas séries: Perdidos no espaço; Terra de gigantes; O túnel do tempo; A feiticeira; Jeannie é um gênio; Jornada nas estrelas; Super-homem; National Kid; Batman; James West; Kung Fu (o "gafanhoto"); Mary Tyler Moore; I love Lucy; Os Moonkees; Guerra, sombra e água fresca; M.A.S.H.; Vigilante Rodoviário... E havia também os desenhos animados: Jonny Quest; Speed racer; Os Flinstones; Os Jacksons; Shazzan; Hércules; Os Herculóides; Zé Colméia; Dom Quixote; Wally Gator; Space Ghost; Manda-Chuva; Tom & Jerry; Pica-pau; Pernalonga; Mr. Magoo... nossa, uma porção deles!

Graziana disse...

muito legal estes vídeos!
puxa estava lendo uns textos que falavam sobre a forma/aparência (na política)coincidência?

Ana disse...

Bahhh!

Nunca assisti nada disso.

Se eu morava em outro planeta?? Não! Morava em Lavras e lá não se assistia TV!!

Vou dar uma olhadinha! :)

marcia disse...

"as aparências enganam aos que odeiam e aos que amam"... sabe quem cantava esta música, né, Little Xon? piu piu.

Clélia Riquino disse...

Lembrei-me, ainda de: Viagem ao fundo do mar; Além da imaginação; Papai sabe tudo; Bonanza; Zorro; As panteras; O fugitivo.

errata: Os Jetsons é o nome correto do desenho animado.

ederson disse...

ontem fui comprar chá só pq a caixinha era bonita. infelizmente o preço era de acordo com a sofisticada aparência e não levei.

Abertura q me marcou foi a do Giraya, dos Trapalhões e, claro, do Xou da Xuxa, com sua musiquinha "doce, doce, doce, a vida é um doce...". esses q vc botou aí eu não puder ver, pq minha internet é um problema.

Ju disse...

sean, mande um email para ju.almeida@clix.pt para que eu possa te mandar o convite pra ler meu blog (será restrito).
Bjs

Fabi disse...

Não acho futilidade.
Ser fútil é não ter conteúdo ou usar o que tem pro lado 'negativo' da vida.
Recordar é viver!
Eu gosto de alguma coisas estranhas, aos olhos dos outros...
O que seria do verde se todos gostassem do azul, não é mesmo?Depois volto pra ver seus vídeos com calma.
Beijão

Mariana Mesquita disse...

Engraçado como somos filhos desses mesmos enlatados...

Thelma disse...

Xonzinho, sou de outra geraçao, mas assisti a várias dessas séries. Legal a tua viagem e a tua forma!

Carlos Eduardo Carrion disse...

Fúteis são os outros. Eu sempre escolho o que me parece melhor. O que não impede que os outros classifiquem as minhas escolhas como fúteis.
Quem é quem para dizer que o que eu escolhi é fútil. É futil para ele, não para mim.
Quem sou eu para dizer que o que o outro escolheu é fútil. Para ele não o é.
Usar mesóclises num trecho não parece fútil, anacrônico, afetado? E se eu gosto de fazê-lo, porque privar-me-ia disto? Por que seria acusado de ser um escrivinhador fútil e pretencioso?
O fútil é o epíteto que os pobres de espírito soem utilizar-se.
Carrion, o fútil, esnobe e anacrônico.

Sean Hagen disse...

*



LU
manda as fotos!


ARNALDO
TV, na minha primeira infância, só na casa da minha avó. só mais tarde é que um revolucionária 14 polegas p&b surgiu. mas não esqueça que a programação começava só depois das 16h, isso nos bons canais.


ROSA
mr.ed era o do cavalo que falava?


JU
o fonzzy surgiu como coadjuvante e e ganhou espaço rapidinho.
era muito bom.



MAITÊ
que bom!



CLÉLIA
vi todas essas que vc citou, algumas com mais ou menos interesse. e têm um bocado que não tão citadas.



GRAZI
é o cosmos!


ANA
puxa, agora eu te endendo melhor.
:p



MARCIA
pior que não sei.
diz pra mim.


EDERSON
eu tenho uma latinhas de chá aqui muito legal.
os caras sabem como chamar a atenção - e cobrar por isso.

xuxa?
te entregou, hein?


FABI
é o velho ditado de 'ver quem quer'. quem quiser ficar só na superfície, que fique.


MARIANA
será que é daí que vem nosso humor corrosivo?

- tá voltando ao mundo dos blogues?
que bom!-


THELMA
viu como algo nos liga mesmo assim?


CARRION
até o petista mais ortodoxo toma romane conti.
então, pra cada cota de seriedade, teve ter um percentual de futilidade.
até porque a futilidade agrega, faz interação, derruba barreiras.
futilizar-nos-emos, então.
:p





*

Clélia Riquino disse...

Mais algumas séries que lembrei:

Os invasores; O homem de 6 milhões de dólares; A Família Buscapé; O fazendeiro no asfalto; Os monstros; A Família Dó-Ré-Mi; Missão impossível; Agente 86...

Rosamaria disse...

sim, Xon, Mr. Ed falava, discava telefone, passava rasteira, era uma parada! e a musiquinha era GG.

marcia disse...

a tua defuntinha preferida.
aquela do IAPI.

pppiiiiiiuuuuuuuuuuuuuuuu.

Eternamente Berenice disse...

Viajei no tempo...e como passa rápido não?
tem muita coisa boa...tem muita porcaria, mas todas me trazem boas lembranças, afinal nossa linda juventude!!!!

fernanda disse...

ain as minhas futilidades necessárias, sapatos, bolsas, revistas NatGeo, creminhos, Brahma Extra, coisa bem boua, adoro ser fútil!