16 abril 2007

Cida
Não há o que aplaque essa dor.
Mas carinho ajuda.
Estamos contigo.


12 comentários:

Ana disse...

É verdade, Xôn: carinho é a única coisa que podemos dar a Cida. Que ela se sinta acarinhada por todos os seus amigos, neste momento de dor.

Thelma disse...

Tô junto neste abraço coletivo.

Graziana disse...

Cida, que o amor que liga vocês duas possa te dar força pra superar esta dor. beijo

Cris disse...

Olá, boa tarde...
Mesmo sem conhecer, com certeza carinho em um momento desse é essencial...aquece o coração...
Vim conhecer teu blog, cheguei aqui através do blog do Chawca, e gostei...inteligente e muito interessante!
Abraço carinhoso, Crissssssss...

Adriana disse...

Sean, eu nao conheço a Cida, mas a dor de perder alguem sim...e me junto neste abraço solidario a sua amiga.
Beijinhos carinhosos do outro lado do oceano

P.S.: Marilyn Monroe canta parabens para ti no meu post...

clarice disse...

Também abraço a Cida !!!

Chawca disse...

A uns seis anos atras eu precisei até de tratamento pscologico, pq comecei a achar que iria morrer tb. Muitas das pessoas queridas e mais importantes da minha vida morreram nessa época em um curto periodo de tempo.... Não conheço a Cida, mas deixo meu abraço pra ela....

Eternamente Berenice disse...

Sean, minha mão tb está aqui para oferecer apoio e minha mente repleta de boas energias e pensamentos bons para que as boas lembranças a acarinhem e te façam seguir forte e em paz.

Bjs

Rosamaria disse...

Muita forca pra ti nessa hora, Cidoca! Meu abraco e muito carinho.

Que bom que abriste este espaco pra darmos apoio a ela, Sean!

Zeca La-Rocca disse...

nestas horas é a melhor coisa q existe, o abraço de amigos...

carinhoso abraço p Cida!!!

abço, Xôn!

Clélia Riquino disse...

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Poema de Natal
Vinicius de Moraes

Cida disse...

caríssimo(a)s

Sinto-me uma privilegiada por receber esse abraço coletivo...

Cada dia eu fico mais maravilhada com a capacidade que a internet tem de agregar pessoas. Ao receber esse abraço de pessoas que nunca troquei uma linha, só me faz adorar cada vez mais esse meio de comunicação.

Obrigada a todo(a)s que me deram apoio e que foram solidário(a)s com a minha dor.

Obrigada a ti, Xôn, por me dares conforto também aqui no teu blog.

Um abraço