17 maio 2007

Pérolas e porcos

Lembro da primeira vez que vi a Lalinha. Até aquele momento, eu nunca tinha visto um recém nascido mal encarado. Ela parecia o chaveirinho de uma velha rabugenta enrolado em xales. A cara amassada e o ar de poucos amigos foram o prenúncio que eu precisava para confirmar que algo de muito bom havia começado naquele 17 de maio de 1992.

Lauren não era um bebê, era uma tsunami. Tinha uma força de caráter tão forte que suspeitei por algum tempo ser o Bebê de Rosemary. Pequeninha, gordinha e cheia de dobras, incutia medo quando contrariada. Com ela não havia essa de regras e padrões, ela ditava as regras e os padrões. Sempre gostei de torturar bebês com cócegas pra ouvir a deliciosa risada histérica. Com a Lalinha a dificuldade era, primeiro, ouvir a risada, já que ela não mostrava as gengivas facilmente. E, segundo, não ser fulminado com uma cara de reprovação por passar dos limites, o que já acontecia no segundo cuti-cuti.

O lalês, uma língua estranha que só a mãe dela compreendia, foi criado por esse ser. Andava pela casa como um anão emburrado, resmungando impropérios, e ai de nós se não fingíssemos entender tudo.

Mas é aí que entra o lado fascinante desse criaturinha: a capacidade de observar, aprender, crescer, melhorar. O mau humor virou sarcasmo, que virou ironia, que virou palhaçada explícita e acabou num humor sofisticado, desses que não se espera encontrar em uma criança. Lalinha é criadora do famoso sr. Fio, uma entidade que se torna atuante quando as indisposições estomacais acometem os viventes. Sr. Fio nada mais é do que a denominação carinhosa do vulgar “ânus”, e contração respeitosa de fiofó.

Aprendendo a rir de si mesma, enquanto ri de tudo, Lauren construiu um sistema de valores amparado no carinho e na preocupação com o outro. Solidariedade é uma ação que ela exercita com a mesma naturalidade que ri. Tem essa capacidade rara de se colocar no lugar do outro e sentir o que ele sente, de dar a mão, de trocar o riso pelo choro se for necessário.

Para ela, havia dois caminhos possíveis: ser a “bonequinha do papai”, ou a moleca de personalidade, capaz de enfrentar o mundo por uma idéia. Escolheu o segundo, o mais difícil, e provou que nada pode impedi-la de seguir em frente. Loira, sim; preguiçosa pra estudar sim, mas burra, nunca.

Personalidades fortes atraem o bom e o mau das pessoas, e não é fácil lidar com isso desde cedo. Nesses 15 anos, muitas foram as lágrimas derramadas, as amizades desfeitas, as apunhaladas recebidas. E por mais que tenha havido dor nesse processo, ver a tenacidade com que essa baixinha enfezada se construiu, me enche de orgulho. É o preço a pagar pra quem decidiu viver a vida como protagonista, e não como coadjuvante. Lauren tem pressa de sentir, de querer, de amar. Quer o agora e o depois juntos. Quer o distante e próximo num mesmo lugar.

Se pudesse, eu daria o mundo a ela, mas não posso e nem devo. Esse prazer eu sei que ela vai conquistar sozinha, errando, acertando, brigando, amando, vivendo. O máximo que posso fazer é dar o meu amor incondicional, e devolver um pouco daquilo que recebo. Não sei por quanto tempo conseguirei me fazer grande pra acompanhar essa trajetória. Mas na verdade isso pouco importa. Esteja onde estiver, quero que ela saiba que sempre será a minha porquinha loira, minha cabeluda fedorenta, a minha gordinha amada. E que o mundo gira, mas eu sempre estou no mesmo lugar.

17 comentários:

Graziana disse...

que lindooooooo texto.
Hoje é aniversário da minha mãe também. Não consegui escrever nada neste nao sobre ela... pouco tempo, inspiração faltando ;)

Laurinha disse...

Snif, snif...
Emocionada fiquei! :)

Adriana disse...

Sean, como sempre lindo texto rebuscado de sinceridade...carinho...e amor incondicional por esta bela criatura...
Parabéns a Lalinha que continue crescendo, lutando e aprendendo a viver...
Ontem minha mae também fez aniversário e e deixei minha homenagem em forma de post...
beijinhos carinhosos cheios de energia positiva do outro lado do oceano

Rosamaria disse...

Sean, eu queria saber expressar o que sinto quando leio o que escreves, principalmente quando falas na tua família!
É maravilhoso! E como deve ser bom pra Lalinha e pas pessoas pra quem escreves! Eu fico imaginando tuas brincadeiras desde que vi a foto que estavas esganado a guria!

Desejo toda felicidade pra Lalinha e que ela continue autêntica, sabendo o que quer da vida e se dando bem sempre.

Bjim pros dois.

firvidas disse...

Nesta idade em que me encontro, as lágrimas já não caiem tão facilmente, pois tornei-me bastante cínica com o fel que bebi através dos anos. Mas hoje, as lágrimas soltaram e correram como rios....

Que homenagem mais bela deste a tua filha!

Com um apoio como esse, a tua filha brilhará como um cometa....Lhe desejo tudo de bom!

Até hoje te respeitei muito como escritor, hoje, te respeito como homem.

Cátia Chagas disse...

Não nos conhecemos mas conhecemos a Grazi. Li teu texto agorinha, muito lindo mesmo, emocionante.
Abs
Cátia

Chawca disse...

Não a conheço, mas você escreve de uma forma que não tem como não se identificar com ela...

parabéns a ela e a você por dominar tão bem as palavras...

marcia disse...

o melhor do teu amor pela Lalinha é que ele é incondicional, sem ser complacente. é pleno, sem ser cego. é doce, sem ser infantil. é um amor lindo de se ver, porque revela muito de ti, e dela, revela o que existe dentro.

Luci Lacey disse...

Sean

Parabens a vcs 02.

Lindo, lindo mesmo.

Beijinhos

Arnaldo disse...

Puta texto. Legal mesmo!

maristela bairros disse...

Xôn. Babei! Nunca vi tio tão mano, tão parceiro, tão amigaço. (Exagerei?). A foto tá dez. E vejo nela traços muito, muito fortes da Fariza, que deve estar, claro, de fraldão de tão feliz.
um beijo pra ela. um cascudo pra ti.
maris

Lauren disse...

[b] (...)


dindão, quando tu escreveu o texto do fredi, eu disse que tinha ficado emocionada. Mas agora que tu escreveu um para mim, nossa, fiquei sem palavras.

A única coisa que eu posso fazer, é agradecer. Não somento pelo texto, lindo, que eu não tenho e nunca vou ter palavras pra descrever o quanto eu gostei. [:D]

Muito, muito obrigada por ele, pelo presente, pela presença ontem na festa, e o mais importante:


POR SER O DINDO MAIS GORDO, LINDO, E FEDIDO DO MUNDO \O/

i love you, pig >D



ps: desculpa pela demora. É que eu não sabia. Mas ai hoje imaginei, e então quando recebi um recado, ou nem me lembro mais o que disseram lá que tinha posto no mundo de xon, eu vim corrrendo :D

fernanda disse...

que lindo.

Clélia Riquino disse...

Você faz declarações de amor lindas, Sean!
bjo,
Clé

Frederico disse...

Bah, já é o segundo que tu me faz cair as bolas auehuaehuaehuaeh, to sem palavras também. emocionado demais pra ser sincero, ai tento disfarçar fazendos essas piadas idiotas uaheuaheuaehuae. Lindo tio, de coração e isso é tud oque importa.

Thelma disse...

Que lindo, Xonzinho!!!!! Tu és um guri fantástico! E ela tb!

Ana disse...

Êta tio mais coruja e amor mais bonito!!
Como é que se fala "encantada", em lalês??