07 abril 2008

Poeira de píxels

Tomei chazinho de sumiço nos últimos meses, como se dizia lá na minha infância anos 70. Um composto de falta de tempo, compromissos, novos desafios, confusões, descobertas e falta de inspiração. Coisas que, no fim das contas, afastaram-me da rotina que é vivenciar um blog.

Uma amiga carinhosa me acusa de fazer isso de forma estrategicamente pensada, só pra eu ver quem vai lembrar de mim no final. Como não quero gastar grana com terapia – nada contra, Carrrion, tudo a favor –, já que minhas neuras me respeitam sobremaneira e minha cota de rejeição tá controlada, resolvi voltar antes de virar poeira de pixels.

Já contei aqui que achava os blogs pessoais, salvo os com temas específicos, meros diários exibicionistas. Mudei de idéia quando descobri a interação possível entre quem escreve – eu, neste caso – e quem comenta – você, caro leitor, que de alguma forma ainda lembra de mim.

Não, não é uma relação presencial, não podemos aplicar as mesmas regras que usamos nas relações face a face. Mas isso não tira a integridade do laço virtual, não desmerece a verdade que sentimos. Talvez eu nunca venha a conhecer pessoalmente algumas pessoas que por aqui passam, mas esse convívio trouxe algo de real para o que sinto e penso. Ajudou a me construir mais do que muita gente que vejo todo dia e com a qual não tenho a mínima intimidade pra falar dos assuntos aqui abordados e das discussões travadas em outros blogs.

E quem tive a oportunidade de conhecer pessoalmente, a intimidade do não presencial cresceu ainda mais com o olho no olho. Isso por que, mesmo inserido num ambiente de aparente distanciamento e tecnicidade, os blogs queimam etapas do processo interativo, trabalham com a essência de uma idéia, de uma postura de vida, de um sentimento – sempre que permitimos isso, é claro.

Saint-Exupéry, apesar de ser considerado o rei dos cafonas, é exato quando fala “você é eternamente responsável por aquilo que cativa”. Essa é uma premissa pueril que o lado racional do cérebro faz troça, mas, ao mesmo tempo, é uma verdade que a emoção reconhece como necessária, não se deixando intimidar pela obviedade que encerra.

A todos que passam, somem, voltam, lêem, comentam, calam-se, uma confissão: eu sou cafona. E é muito bom poder encontrar com vocês aqui, mesmo quando quase viro poeira de pixels.

- Urubu Maroto, beijo especial pela constante instigação e pelo post explicito no teu blog

25 comentários:

Adriana Amaral (Lady A.) disse...

ainda bem que voltaste! bjo

Ana disse...

Yesssssssssssss!

Que bom que tu voltou!!

A tua ausência significou alguma coisa do tipo "O ESTRANHO MUNDO DOS BLOGS SEM XÔN"!

Ana disse...

Aaahh!

"Obrigada Urubu Maroto!"

:)

Toninho Moura disse...

Quem é vivo, desaparece! Depois volta!

Marcia disse...

parem as máquinas!!!
suspendam a criação da ONG!!!!

Elis vive!!!
Elvis vive!!!
Xoooonnnn vive!!!!

Ferdibrand disse...

Cheguei a pensar que tinhas te perdido na poeira, mas folgo em ver-te novamente. Tão bom como sumir de vez em quando é retornar.

Abraços!

Penkala disse...

a-rá!

laurastorch disse...

Apesar de toda a dramaticidade do restorno não desculpar em nada a falta que vc fez por aqui: SEJA MAIS QUE SUPER BEM-VINDO!!!

\o/ Estavamos todos com saudades de ti!... :D

venuss disse...

O teu último post pré-sumiço deveria ter sido:
Vou até ali comprar cigarros e já volto.

Maroto disse...

somes um tempão, voltas citando Exupéry e eu fico preocupada onde foi a lavagem cerebral. Andou ajudando a Pinta com o relatório CAPES ou coisa traumática que o valha?

Rosamaria disse...

eu nem acredito! tu tá de volta, cosquirídia!!!

eu sou cafona e meu rei tá certo. além de mim cativaste muita gente, tenho certeza.
espero que não sumas de novo.
bjim

OBRIGADA,URUBUA!!!

Reges.ts disse...

"Se ao escalar uma montanha na direção de uma estrela, o viajante se deixa absorver demasiado pelos problemas da escalada, arrisca-se a esquecer qual é a estrela que o guia." [Antoine de Saint-Exupéry]

Como sei que não é o teu caso, boa revolta.

:oP

Vejo uma rosa, uma única rosa e um vulcão extinto...

Carlos Eduardo Carrion disse...

Queridão. Pensa que eu não sei. Eu estudo a mente, entro nos desvãos dela (propaganda subliminar minha, sacou!).
Alguns tempos atrás uma desvairada disse que tu não podias te iludir, que só te escreviam porque tu eras isto ou aquilo. Pois bem, acho que o teu ID te forçou a este exílio só para saberes se de fato tu eras admirado pelo que escrevias, ou se te escreviam apenas para puxar-te o escroto!
Tens a responta! Agora podes ir repousar sobre os teus lauréis.

carmen abreu disse...

Eu também sou cafona! Fez muita falta, beijo

Daniela disse...

Ah é, então não morreu!

Mas o pequeno príncipe ninguém merece! Você demorou todo esse tempo lendo aquele livrinho?...

ale disse...

Oba! Tava precisando de uma boa notícia hoje.

Graziana disse...

vi ontem teu comentario e pensei, ele voltou! so pude vir aqui hoje ter a certeza!ando meio longe do computador, de novo problemas com os musculos...

concordo sobre as relacoes virtuais, criei muitos lacos virtuais... e muito serio como cresce a intimidade presencial com esta relacao virtual...o virtual contribui muito para que exista uma rapida intimidade presencial, ...enfim, coisas pos modernas...hehehehe

bom que voltaste!

Lu disse...

não tinha terminado de ler o texto e já tinha dito pra mim mesma: bah... sou cafona! Li muito Saint-Exupéry na minha adolescência, mas com certeza não é por causa dele que sou assim.
Que bom que não viraste poreira. Sempre passo por aqui quando posso e confesso, mesmo não comentando sempre e nem sempre gostando de todos os textos, gosto desta pracinha..... mas ainda tenho medo deste olho...hehehehe
Bom retorno pedrinha!

Adriana disse...

Bienvenido, mi amigo. Um grande beijo cheio de energia positiva do outro lado do oceano

raquel disse...

Sean!!!! Tu voltou!!! :DDDDDD
A mais atrasada, mas ainda feliz pela tua volta.

Paulo Vilmar disse...

Sean!
Sem cafonices, um chá de sumiço as vezes...
Boa volta!
ABraços.

Alexandre disse...

Demorou, heim?! risos
Já tinha cansado de ficar acessando e ver aquele "cianças, xô!"...
Feliz ano novo! ;-)
abraço

Ederson Nunes disse...

ai, meu Obnubilado não só virou poeira como já deve ser espanado qualquer dia...

mas foi bom ver q não era só eu o sumido (embora tu tenhas voltado e eu não pretenda fazer isso antes de ser sorteado no caminhão do Faustão).

Thelma disse...

O bloco dos cafonas em sintonia!
Que bom te reencontrar!
Eu ando em crise com meu blog. O máximo que tenho feito é visitar os dos amigos.
Bjs.

Eva disse...

Do pó viemos, ao pó voltaremos, e dali viremos de novo, e assim por diante. Bom te ler de novo, Xôn.