18 abril 2009

A insustentável mesquinheza do ser

Existe coisa mais insana do que reunião de condomínio?
Existe coisa mais insana do que reunião de condomínio sexta à noite que dura três horas?
Existe coisa mais insana do que reunião de condomínio sexta à noite, que dura três horas, com gente mesquinha, desagradável e profundamente prejudicada cognitivamente?

Existe.

É ver quanto uma pessoa é capaz de ser abjeta quando cegada pela ilusão do poder. MacBeth traiu, conspirou e matou para ser rei. Há quem limpe fossas e minta para ser síndico. A ambição presente em grandes feitos ou em pequenas mesquinharias pode esconder uma grande ingenuidade de quem não consegue se ver realmente como é. Torna o camarão com espírito de lagosta uma presa fácil, manipulável e risível – apesar de toda incomodação que produz.

Agora, alguém diz aí: como uma pessoa equilibrada pode fazer tanta baixaria pra permanecer ad infinitum num carguinho de mando? – que talvez seja melhor definido como carguinho de mandalete. Deve dar um puta orgasmo ser aclamada Rainha das Fossas. Imagina o balconista da ferragem, frente a tão intenso poder, perguntando: “Quantos quilos de soda cáustica vai hoje, tia?”.

No fundo, sinto uma profunda pena de um ser como esse. Imagino que limitar o mundo entre corredores sujos e canos entupidos deve ser a única saída pra quem não conseguiu mais nada na vida. A ilusão de controle sobre cinco outros apartamentos – uau! – parece ser a última alternativa quando os sonhos megalômanos de dominar o mundo fracassam.

Algo que MacBeth, revendo a mesquinhez da própria vida, soube definir como ninguém: “Apaga vela! A vida é só uma sombra: um mau ator que grita e se debate pelo palco, depois é esquecido; é uma história que conta o idiota, toda som e fúria, sem querer dizer nada”.

4 comentários:

Marcia disse...

"a gente é para o que nasce."

coincidentemente, o nome do documentário sobre as três ceguinhas do macbeth aquele.

o mundo é um ovo. ploft.

laurastorch disse...

esse ser síndico deve ter tipo algum vínculo com o "generalado"... o ser síndico que conheço teve, e tem os mesmos dramas: só "resolvíveis" no divã!!

Rosamaria disse...

acho que ser síndico deve dar um trabalhão danado, mas daí a querer ficar ad infinitum(hehehe)e ainda incomodando, é dose. só mesmo se for aclamada Rainha das Fossas, aí acho que vale a pena.

(quando vais mandar o e-mail contando a tua vida de doutorando?)

bjim, cosquirídia.

maristela disse...

Sean. Ionesco acho que nunca participou de uma. Ou teríamos uma bela peça a respeito desta coisa torpe. E não sei o que é pior: os que chupam este poder até não começar a chupar sua própria inutilidade ou os que se mostram "inovadores" e se revelam ainda mais pulhas.
bjs e saudades